Se a decisão for para o Mineirão, o torneio não tem regra, diz Kalil

Responsável por montar o time que levou o Atlético-MG à sua primeira final de Libertadores, o presidente Alexandre Kalil está indignado com a decisão da Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) que tirou o jogo decisivo contra o Olimpia-PAR do estádio Independência.

Em entrevista, o cartola disse que os clubes brasileiros devem abandonar a competição caso a sequência de problemas com as equipes nacionais continue acontecendo. E afirmou ainda que o técnico Cuca está preparado para ganhar.

Folha – Como está a situação para que o Atlético-MG jogue no Independência?
Alexandre Kalil – Após muitos anos, existe uma confederação brasileira preocupada com os clubes. E o que me interessa é isso. É a minha opinião: a CBF agora está olhando para os clubes. Querem esculhambar o cara [Marin] por causa da Revolução de 1964. Eu tinha cinco anos. Estou orgulhoso com a postura da CBF.

O que a CBF está fazendo para a final ser no Independência?
Emitiram uma nota dizendo que o Atlético tem direito de jogar no Independência. Não acho que a CBF vá perder um embate com a confederação paraguaia e com a Conmebol. Não tem a menor condição de isso acontecer, pela força do futebol brasileiro.

Mas a Conmebol já divulgou que o jogo de ida acontece no Defensores Del Chaco, e o de volta no Mineirão.
Se o jogo for para o Mineirão, [a Libertadores] não tem regra. O Defensores Del Chaco não tem 40 mil lugares. O Independência também não. O regulamento está aqui [prevê que os estádios da final tenham capacidade de pelo menos 40 mil espectadores] e ele não está sendo respeitado. Tem de haver isonomia.

E o que pode ser feito então?
Chega de roubalheira. Nós fomos prejudicados aqui contra o Newell’s Old Boys, o Corinthians foi prejudicado aqui. Se continuar essa bandalheira, é melhor os brasileiros não disputarem a Libertadores.

O senhor acha que o Atlético-MG foi beneficiado no episódio do jogo contra o São Paulo, quando o senhor foi levado pelo Marin à Conmebol para pedir arbitragem estrangeira?
A minha ida para a Conmebol com o Marin e com o Marco Polo foi um pleito. O São Paulo não teve isso porque não quis. Ele [Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo] poderia ter ido. Eu pedi e fui.

Pelo o que o senhor fala, vai apoiar o Marin e votar no Marco Polo Del Nero na eleição da CBF, no ano que vem?
O meu voto é deles, claro. Não é nem pelo que fazem agora. Se for contra o Andres, eu voto no Marco Polo. O Andres implodiu o que o futebol brasileiro tinha de mais importante, o Clube dos 13.

Como é para o senhor ter montado o time que chegou pela primeira vez na história do clube à final da Libertadores?
Foi trabalho e muita, muita sorte. Sorte de ter encontrados os jogadores certos.

Qual a importância do Ronaldinho e do Cuca nessa campanha atual?
São fundamentais. O Ronaldinho, dentro de campo, é importantíssimo. Mas o Cuca… Não esperava um técnico tão preparado para ganhar. Ele agora está preparado para ganhar.

Loading...
Related Video
 

About the author

More posts by carol

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment