Polícia Federal poupou Caixa ao investigar boatos sobre Bolsa Família

Apesar de reconhecer que o adiantamento do Bolsa Família feito pela Caixa Econômica Federal foi uma das causas da boataria sobre o programa, a Polícia Federal não investigou de fato as medidas tomadas pelo banco público.

É o que revela o inquérito, já arquivado, que apurou a origem do corre-corre para sacar o benefício em 18 e 19 de maio, gerando tumultos.

Na investigação, a PF nem sequer coletou depoimentos de funcionários da Caixa. O que fez foi só requisitar informações sem, no entanto, checar ou questionar o que foi fornecido pelo banco.

Na semana retrasada, quando a investigação foi concluída, a PF informou que “foram ouvidos 64 gerentes da Caixa nas localidades onde ocorreu o maior volume de saques”. O inquérito a que a Folha teve acesso mostra que quem ouviu os funcionários foi a cúpula do banco, que depois repassou à PF por e-mail um resumo das informações supostamente relatadas.

Questionadas, a PF e a Caixa não se pronunciaram até a conclusão desta edição.

A polícia também pediu que a Caixa dissesse se havia feito alguma alteração no calendário de pagamento. O banco respondeu com a mesma versão que só tornou pública após a Folha revelar que o adiantamento ocorreu antes do corre-corre, e não depois, como sustentava.

Segundo a Caixa, uma mudança cadastral afetou parte dos beneficiários. Para evitar problemas quando fossem ao caixa, decidiu-se que todos poderiam sacar a partir do dia 17. A PF não pediu outros documentos nem ouviu ninguém sobre a medida, acerca da qual pairam dúvidas.

Como a Folha revelou, a antecipação ocorreu à revelia do Ministério do Desenvolvimento Social, o que contraria norma federal sobre o Bolsa Família. Na época, o superintendente regional da Caixa no Pará disse que houve um “erro no sistema”, sem citar a liberação programada.

O inquérito diz que a maior fatia das 181 pessoas ouvidas pela PF (42%) pegou o dinheiro pois aqueles eram seus dias normais de pagamento. A segunda maior parte (24,3%) sacou pois os valores haviam sido adiantados. Só depois aparecem os boatos. A PF concluiu que não houve crime na onda de boatos.

Loading...
Related Video
 

About the author

More posts by carol

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment