NO SUFOCO DOS PÊNALTIS, SANTOS BATE VÉLEZ E AGORA ENCARA O CORINTHIANS

Foi suado, sofrido e emocionante, mas o sonho da conquista do tetracampeonato do Santos na Taça Libertadores da América continua vivo. Depois de 1 a 0 no tempo normal, o Alvinegro contou com a estrela do goleiro Rafael para eliminar os argentinos do Vélez Sarsfield e avançar às semifinais da competição continental.

Nos 90 minutos, a equipe alvinegra encontrou muita dificuldade para furar a retranca argentina. Com um a mais desde o fim do primeiro tempo – o goleiro Barovero foi expulso após falta em Neymar -, o Peixe cresceu de produção na etapa final e conseguiu o gol que levou a decisão para as penalidades aos 32 minutos, com Alan Kardec.

Nas penalidades, apenas Martinez e Sebá converteram para o Vélez. Canteras chutou por cima, e Rafael defendeu a cobrança de Papa. O Peixe teve 100% de aproveitamento nas cobranças, com Alan Kardec, Ganso, Elano e Léo convertendo para o Peixe. Neymar, o quinto jogador escolhido por Muricy para bater, nem precisou confirmar a classificação alvinegra para a próxima fase.

Na sequência da competição continental, o Santos vai decidir uma vaga na final contra o rival Corinthians. Por ter melhor campanha na primeira fase, o Timão terá a vantagem de disputar o segundo jogo no Pacaembu. A diretoria do Peixe ainda não decidiu onde mandar a primeira partida. A Vila recebe atualmente menos de 16 mil pessoas (o público pagante contra o Vélez foi de 13.908 pessoas). Morumbi e o próprio Pacaembu pintam como opções.

Nervoso, Peixe pouco ameaça

“Acá és Velez”, dizia uma das faixas na torcida do Vélez Sarsfield, entre os torcedores argentinos na Vila Belmiro. Tal identificação deveria ser suficiente para sinalizar: furar o bloqueio do “Fortín” não seria tarefa nada fácil para o Santos.

Empurrado pelo Alçapão lotado e com uma bonita festa de papéis higiênicos, há muito tempo não feita no estádio do Peixe, o time encontrou um Vélez extremamente disciplinado taticamente.

Como um corpo fechado de engrenagens perfeitamente sincronizadas, as duas linhas de quatro dos argentinos nunca se distanciavam. O pouco criativo meio de campo santista, liderado por um Ganso no sacrifício (ele passará por uma artroscopia na manhã desta sexta-feira), esteve perdido na armação.

Muito nervoso pela necessidade de abrir dois gols de diferença, o Alvinegro não conseguiu impor seu ritmo. Das tribunas de honra da Vila, Diego, Robinho e Alex, trio da geração campeã brasileira de 2002, certamente ficaram preocupados com o que viram na etapa inicial.

Exceção feita a lances esporádicos, como em duas cobranças de falta de Elano e raros lances em que Neymar levou a melhor sobre a zaga, o time não ameaçou Barovero. O Vélez, por sua vez, aproveitava esse nervosismo para tocar a bola com muita eficiência e irritar o Peixe.

De tanto pegar a bola e procurar Neymar como um robô, o Santos, enfim, conseguiu algo. Aos 39 minutos, o time retomou a bola e Elano enfiou belo lançamento da zaga para o ataque na direção do craque. Após dominar de cabeça e passar por Barovero, Neymar sofreu falta do goleiro, na entrada da área – era gol certo. Resultado: o argentino foi expulso.

Nos minutos finais, o Peixe até tentou aumentar a pressão no embalo da torcida, mas foi pouco. Sobrou nervosismo e faltou bola.

Léo muda o jogo, e Kardec salva

Um jogador a mais durante 45 minutos para fazer ao menos um gol. Esse era o panorama do Santos quando voltou do intervalo contra o Vélez Sarsfield. A equipe poderia ter calma, tranquilidade e colocar a bola no chão até conseguir o objetivo. Em um desespero inexplicável desde o apito inicial, porém, a opção foi outra: chuveirinho e cruzamentos na área, totalmente fora das características da equipe.

O primeiro lance da etapa final dava a impressão de um Peixe massacrando. De tanto girar a bola de um lado para o outro, o time encontrou Adriano livre. O volante, então, resolveu chamar para si: soltou o pé de fora da área e Montoya, goleiro reserva, espalmou de forma esquisita.

Totalmente aberto e desesperado, o Santos dava espaços para os contra-ataques. E o disciplinado Vélez quase aproveitou em duas oportunidades. Primeiro com Fernández, em lance de muita ousadia e genialidade, quando do meio de campo finalizou e quase surpreendeu Rafael. Depois, com Martínez fazendo boa jogada e rolando para o mesmo Fernández novamente perder.

Daí para frente, o Santos passou a usar quase que de forma única os cruzamentos. Com o time nervoso pelo tempo que passava, a situação já virava dramática. Muricy, então, resolveu mudar: trocou Juan por Léo, ovacionado pela torcida. E o time ganhou o fôlego que precisava pela esquerda. Rentería já havia tomado o lugar de Adriano, mas sem qualquer notoriedade, exceção feita aos erros bizarros.

Foi então que Alan Kardec teve a chance de ouro, nascida em um ótimo passe de Elano. Completamente livre, porém, o atacante finalizou mal e Montoya defendeu. Parecia o fim para o Santos, já cansado e desesperado.

Léo, então, deu as caras e mostrou por que recebe tanto apoio das arquibancadas. Em uma jogada espetacular pela esquerda, o experiente lateral arrancou, tabelou, invadiu a área e deixou Alan Kardec novamente livre para, desta vez, abrir o placar. Explosão de alegria e alívio na Vila Belmiro.

Incendiado pelo gol, o Alçapão ferveu de forma ensurdecedora. Incentivado pelos quase 14 mil santistas, Neymar fez jogada de gênio. Da esquerda para o meio, passou por toda a zaga argentina e deixou Rentería em ótima condição para marcar, mas o colombiano demorou e perdeu a oportunidade.

O Peixe buscou o segundo, ficou no 1 a 0 e teve de passar pelo drama dos pênaltis. Drama na Vila. O clima era de apreensão, afinal, a geração de Neymar e Ganso, campeã da Libertadores em 2011 e da Copa do Brasil em 2010, ainda não havia passado pela necessidade da disputa de penais.

Mas até esse tabu ficou pra trás. E a geração que tem estabelecido marcas impressionantes, semelhantes às do time de Pelé, pode igualar mais um feito do Peixe dos anos 60 – o bicampeonato consecutivo da Libertadores. Para isso, precisará passar primeiro pelo maior rival, o Corinthians – justamente o único grande paulista que nunca venceu o torneio. Mais drama à vista.

Loading...
Related Video
 

About the author

More posts by carol

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment