No submundo da internet, site vende drogas e movimenta cerca de R$ 2,4 mi por mês

No Silk Road, todo comércio é possível. Esse grande mercado na internet vende vários tipos de droga (de haxixe do Marrocos a cocaína da Holanda e cogumelos dos EUA), remédios controlados, equipamentos para hacking e espionagem, joias falsas, pacotes de conteúdo pornográfico.

Criado há dois anos, o serviço é investigado pela polícia dos EUA, mas continua no ar porque está escondido na “deep web”, a internet profunda, espaço da rede só acessível usando o Tor, um browser para navegação anônima.

Nele, os sites têm endereços cifrados e não podem ser encontrados por mecanismos de busca tradicionais, como o Google.

Ao todo, o Silk Road movimenta cerca de R$ 2,4 milhões por mês, segundo Nicolas Christin, da Universidade Carnegie Mellon (EUA), autor do primeiro estudo sobre o site.

Concluída em julho do ano passado e revisada em novembro, a pesquisa mostra que a maioria dos vendedores comercializa poucos itens, que as entregas são feitas por correio e que drogas são o carro-chefe. Em entrevista, Christin explica o que isso significa: “O Silk Road concorre com o traficante da esquina, não com grandes cartéis”.

Com 14% dos itens à venda, a principal categoria é maconha, inclusive em volume de negócios. “Suspeito que o site não seria viável se não comercializasse esse tipo de produto”, diz Christin, diretor-associado do Instituto de Informação em Rede da universidade

Na “web da superfície”, como usuários da “deep web” chamam a internet comum, há poucas menções ao Silk Road. A ideia é manter o mistério: quanto menos atenção chamar, melhor. Questionado, o responsável pelo site limitou-se a dizer: “Desculpe, temos uma política de não falar com a imprensa”.

O pseudônimo usado pela pessoa -ou pelo grupo- por trás do site é Dread Pirate Roberts, personagem do romance “A Princesa Prometida” (1973), de William Goldman. No livro, Roberts não é só um pirata, mas vários, que repassam a alcunha uns aos outros em uma sucessão criminosa.

ORIGENS MILENARES

Assim como o pseudônimo de seu criador, o nome do Silk Road também é uma referência: remete à Rota da Seda, que ligou Ásia, África e Europa pelo comércio por cerca de 2.000 anos.

Embora tente manter a discrição, Dread Pirate Roberts não conseguiu: dois senadores dos EUA pediram investigação poucos meses após a inauguração do site.

Em 2012, a DEA (Agência de Combate às Drogas) admitiu investigar o Silk Road. Desde então, usuários do site relataram o sumiço de alguns vendedores.

A presença de brasileiros existe, mas é pequena. No fórum, há conversas em português e referências a cidades do país. “Meu envelope foi entregue lacrado e intacto”, relata em inglês um usuário que diz ser brasileiro. Segundo ele, a entrega foi feita em “quase dois meses”, disfarçada como cartão de aniversário.

A reportagem escreveu a cinco usuários brasileiros -um deles respondeu, pedindo anonimato. Diz ser um advogado paulistano de 26 anos. “Não acesso mais de uma vez por semana”, afirma o usuário, registrado no site desde 2011 e comprador de remédios controlados.

Para Pedro Abramovay, ex-secretário nacional de Justiça e professor da FGV-RJ, a lei é cinzenta sobre recebimento de drogas do exterior: “Em tese, sempre que é para consumo pessoal é caracterizado como porte”. Ele defende que essa é a interpretação correta.

“Mas daí para a polícia entender e caracterizar dessa forma, é outra história.” Ou seja: se for pego, o usuário pode, sim, responder por tráfico internacional.

Loading...
Related Video
 

About the author

More posts by carol

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment