França resgata segunda caixa-preta do voo AF 447

A segunda caixa-preta do Airbus A330 da Air France que caiu no mar no dia 1º de junho de 2009, quando voava do Rio de Janeiro a Paris, foi resgatada nesta segunda-feira e se encontra em bom estado, informou o Escritório Francês de Investigação de Acidentes (BEA, na sigla em francês).

caixapreta div620 França resgata segunda caixa preta do voo AF 447

França resgata segunda caixa-preta do voo AF 447

“Os registros fônicos – Cockpit Voice Recorder (CVR) – foram localizados e identificados pela equipe de busca às 21h50 GMT (18h50 de Brasília) dessa segunda-feira, 2 de maio. Foram levados pelo robô Remora 6000 à bordo do navio Ile de Sein às 02h40 GMT (23h40 de Brasília) de terça-feira, 3 de maio”, revelou o BEA.

A caixa-preta com as conversas na cabine de comando “está inteira”. “O chassi, o módulo e o cilindro estão lá. Globalmente, o aspecto externo está correto, em bom estado”, declarou Jean-Paul Troadec, diretor do BEA. A queda do avião da Air France matou as 228 pessoas a bordo.

O BEA havia anunciado no domingo o resgate do módulo de memória da primeira caixa-preta – Flight Data Recorder (FDR) -, com os parâmetros de voo. Segundo Troadec, a segunda-caixa foi encontrada a cerca de 10 m da primeira. Como já havia sido feito com a primeira caixa, também em bom estado, o CVR foi lacrado para ser colocado à disposição da justiça. As duas caixas estão agora em um contêiner com água para impedir sua deterioração e ficarão submersas até chegar à sede do BEA em Bourget, na região de Paris, dentro de oito dias.

“Se pudermos ler seus registros, será possível compreender o que ocorreu”, disse Troadec, advertindo que tudo dependerá da corrosão. No domingo, Troadec anunciou a localização “do módulo de memória do gravador de parâmetros, às 10h00 GMT (07h00 de Brasília). Ele foi recuperado (…) às 16h40 GMT (13h40 de Brasília)”.

“A caixa-preta parece estar em bom estado físico. Nossos especialistas nos dizem que podemos conseguir ler esses dados”, revelou Troadec na véspera.

Até o momento, os motivos da tragédia não foram explicados. Os investigadores determinaram que a falha das sondas de velocidade da aeronave, chamadas Pitot, da fabricante Thales, foi uma das causas, mas consideraram que essa avaria não basta para explicar o acidente.

Os investigadores localizaram no início de abril os destroços da aeronave a 3,9 mil m de profundidade, perto da última posição conhecida do avião. A prioridade era encontrar as caixas pretas, que estavam separadas uma da outra por apenas 10 m, segundo Troadec.

Resgate é comemorado
As famílias francesas das vítimas do voo Rio-Paris celebraram com prudência o anúncio da recuperação da segunda caixa preta. “É uma ótima notícia. Já havia sido a recuperação da primeira caixa, e recuperar a segunda é ainda mais”, declarou à AFP o presidente da Associação de Ajuda e Solidariedade AF447, Jean-Baptiste Audousset. O presidente da Airbus também celebrou a descoberta da segunda caixa preta e e afirmou esperar que os gravadores do aparelho ainda sejam legíveis.

“Estamos muito felizes com a notícia e esperamos que as informações ainda sejam legíveis. Esta é a única coisa que pode contribuir para compreender os acontecimentos que levaram ao acidente”, afirmou Tom Enders. “Estamos satisfeitos de ter estimulado, durante os últimos dois anos, a continuidade das investigações e as buscas, independente do custo e dos esforços”, acrescentou. A investigação do acidente já custou 35 milhões de euros.

AFP – Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

Loading...
Related Video

Tags:

 

About the author

More posts by admin

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment