Desmilitarização da Polícia estará na pauta de protesto no Mineirão

Em uma assembleia realizada no último domingo, manifestantes de Belo Horizonte confirmaram um ato no Mineirão, na próxima quarta, e decidiram quatro pautas principais do protesto. Entre elas estará a desmilitarização da polícia, o que pode contribuir com o cenário de conflito entre os dois lados antes da semifinal da Copa das Confederações, entre Brasil e Uruguai.

A pauta foi fechada por um grupo de cerca de 600 pessoas que se reuniram durante a tarde do último domingo debaixo do viaduto Santa Tereza no centro de Belo Horizonte. A reunião, que foi acompanhada de perto pela polícia, reuniu líderes de movimentos sociais diversos, entre eles o Comitê Popular da Copa da Belo Horizonte, que questiona os gastos com os grandes eventos.

Depois da fala de dezenas de manifestantes, a assembleia confirmou o ato da próxima quarta. O grupo partirá da Praça Sete de Setembro às 12h e vai até o estádio Mineirão. As propostas do protesto são a suspensão da Lei Geral da Copa, o estabelecimento de um piso nacional de salários para professores da rede estadual, a redução da tarifa do transporte público em Belo Horizonte e a desmilitarização da polícia.

A inclusão do último item acirra os ânimos entre manifestantes e oficiais, que entraram em conflito no último sábado, antes do jogo entre Japão e Nigéria. Na ocasião, cerca de 100 mil pessoas estavam nas ruas de Belo Horizonte, foram impedidas de chegar até o Mineirão e acabaram entrando em conflito com a polícia.

Os manifestantes apontam abuso de força por parte dos oficias que, por sua vez, protestam contra o vandalismo do outro lado. Nesta segunda, a Polícia Militar deu sinais claros de que deve haver conflito antes do jogo do Brasil.

“Acabou a ação reativa que a PM estava mantendo até agora. Vamos adotar tolerância zero nos protestos”, disse Luiz Alberto, tenente-coronel da PM .

Por parte dos manifestantes também há a expectativa de tumulto. Embora o Comitê Popular da Copa oriente os envolvidos a não agirem violentamente, o tema é tratado com naturalidade no protesto. Na assembleia do último domingo, por exemplo, diversos discursos questionando a ação da PM e acirrando os ânimos entre as partes.

O confronto do último sábado deixou marcas na capital mineira. Um dia depois, a cidade ainda apresentava rastos de destruição em ruas da região central, onde ocorreu o confronto com a Força Nacional. A previsão de um novo tumulto fez com que a polícia fizesse até um apelo aos pais para que não deixassem seus filhos se juntarem à manifestação.

Loading...
Related Video
 

About the author

More posts by carol

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment