Após discurso de presidente, sobe a 16 o número de mortos no Egito

Confrontos entre apoiadores do presidente do Egito, o islamita Mohamed Morsi, e forças de segurança deixaram 16 mortos e 200 feridos entre terça (2) e quarta-feira (3), segundo as agências Reuters e a AFP, que citam a TV local e o Ministério da Saúde.

Os confrontos se acirraram após um pronunciamento do presidente reiterando sua legitimidade porque foi eleito democraticamente.

O Exército do Egito declarou que está pronto para “sacrificar o sangue” pelo Egito e pelo seu povo “para defendê-los contra qualquer terrorista”. A declaração foi publicada na página do Conselho Supremo das Forças Armadas (SCAF) no Facebook, segundo a agência de notícias Reuters, três horas após o presidente Morsi aparecer  na TV estatal defendendo seu governo.

Milhares de muçulmanos se reuniram na praça em frente à Universidade do Egito para pedir a revogaçãodo ultimato – que termina nesta quarta-feira às 11h30 de Brasília – dado pelas forças armadas do país para que Morsi deixe o poder.

Nos últimos dias, protestos levaram milhões de pessoas às ruas contra o presidente, eleito após a revolução que derrubou o ex-ditador Hosni Mubarak em 2011.

Após o discurso de Morsi, um porta-voz do grupo opositor Frente da Salvação Nacional disse que a fala do presidente é vista como uma “declaraçao de guerra civil”, já que ele ignorou as demandas da oposição, que pedia sua renúncia.

Na TV, Morsi disse que as eleições que o elegeram foram livres e representativas. “Não deixem eles roubarem a revolução de vocês”, falou ele em um claro recado aos seus apoiadores.

Mais cedo, Morsi havia pedido que as forças armadas retirem o “ultimato“, dado na véspera, para que ele divida o poder com a oposição, e disse que não vai receber ordens. Em seu discurso, ele disse que está tentando fazer com que o Exército volte a realizar suas tarefas normais e que seu primeiro ano de governo foi difícil, pois enfrentou desafios de reminiscências corruptas do “antigo regime”. A “legitimidade” é “a única garantia contra o derramamento de sangue”, acrescentou.

“O presidente Mohamed Morsi garante sua fidelidade à legitimidade constitucional e rejeita qualquer tentativa de desviar dela, e pede às forças armadas que retirem seu alerta, e se recusa a receber ordens internamente ou externamente”, disse o Twitter oficial da presidência.

Uma fonte militar disse à agência de notícias Reuters que as forças armadas iriam responder.

As mortes desta terça ocorreram no distrito de Giza e também deixaram dezenas de feridos, alguns em estado grave, em meio à crise política que paralisa o país e que levou multidões às ruas das principais cidades. Tumultos também eclodiram em outros bairros da periferia do Cairo e na província de Beheira.

Loading...
Related Video
 

About the author

More posts by carol

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment