Após acordo, fim da greve dos Correios deve ser aprovado hoje

Por RENATO MACHADO NATUZA NERY | DE BRASÍLIA

Os diretores dos Correios e os representantes dos funcionários chegaram ontem a um acordo para encerrar a greve do setor. Foram 21 dias de paralisação, com atraso na entrega de 147 milhões de cartas e encomendas. O governo federal cortou o ponto dos grevistas e exigiu compensação dos dias não trabalhados.

A proposta de consenso foi fechada após audiência de conciliação no TST (Tribunal Superior do Trabalho). Os 35 sindicatos que representam a categoria vão se reunir hoje em assembleias para decidir se ratificam os termos do acordo.

A Fentect, federação que reúne os sindicatos, vai emitir comunicado defendendo a aceitação da proposta.

“Se não aprovar, volta tudo a zero”, disse Maria Cristina Peduzzi, ministra do TST que intermediou o diálogo.

A greve suspendeu os serviços de entrega com hora marcada dos Correios e também atrasos de três a quatro dias nos demais. A empresa pretende normalizar os serviços na próxima semana.

“Teremos uma dificuldade maior na Bahia, no Rio de Janeiro e em São Paulo”, disse o vice-presidente de gestão de pessoas dos Correios, Larry de Almeida sobre os Estados mais afetados pela greve.

A empresa contabilizou um prejuízo diário de R$ 20 milhões. A cifra pode aumentar, uma vez que são comuns ações judiciais de clientes por conta dos atrasos.

A greve foi marcada pelo enfrentamento entre a diretoria da empresa e os grevistas. Entre os embates, o desconto pelos dias parados. Logo no primeiro dia de paralisação, o presidente da estatal, Wagner Pinheiro de Oliveira, informou que retiraria sua última proposta e só retornaria à mesa de negociações com o fim da greve.

O desconto nos salários apareceu no contracheque dos grevistas dez dias após o início do movimento.

“A população não pode sofrer prejuízo. Temos obrigação constitucional e não podemos jogar. Eles [sindicatos] não entenderam, não estávamos blefando”, disse o presidente à Folha.

Editoria de Arte/Folhapress11277736 Após acordo, fim da greve dos Correios deve ser aprovado hoje

CORTE DE PONTO

Sobre o corte de ponto, Pinheiro afirmou que adotará o mesmo procedimento: em caso de greve, haverá novamente o corte do ponto ou a cobrança pelos dias não trabalhados.

Ele foi chamado anteontem no Palácio do Planalto para explicar a negociação. Os ministros Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral) pediram detalhes da negociação e informações sobre o desfecho da paralisação.

O acordo firmado ontem estabelece a reposição da inflação de 6,87% e um reajuste linear de R$ 80 a partir de outubro. Esse era um dos principais pontos de discórdia, já que os trabalhadores queriam o ganho real linear para agosto e os Correios concordavam em pagar apenas em janeiro. Para se chegar a esse valor, os trabalhadores abriram mão de um abono de R$ 500 (que não seria incorporado ao salário).

Também ficou acertado que os 21 dias parados não serão descontados por completo. Para repor 15 dias de greve, os trabalhadores terão de trabalhar durante fins de semana e essa compensação será estendida até o segundo domingo de maio de 2012.

Os outros seis dias, que já foram descontados em folha de pagamento, serão devolvidos aos trabalhadores. No entanto, eles serão descontados novamente a partir de janeiro do ano que vem, mas parcelados em até 12 vezes.

“Não foi a melhor proposta, mas a possível para uma assembleia”, disse José Rivaldo da Silva, da Fentect.

Marcelo Camargo – 04.out.11/Folhapress
 Após acordo, fim da greve dos Correios deve ser aprovado hoje
Funcionários dos Correios em frente TST para acompanhar a audiência de conciliação com a empresa

Treinamento PMP, PMP, PMI, Cursos, Curso SAP, Cobit, Itil, Iphone, Ipad, PMI 4 Edicao, Treinamento, Gerenciamento de Projetos, Pmi Pmbok, Certificação PMP, Projeto PMI, Curso PMP, Funcional

Loading...
Related Video
 

About the author

More posts by admin

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment